sábado, maio 19, 2018

Saying goodbye is okay!

Hey! Hey! 

Bem-vindos a mais um dia 19, e hoje vou contar pra vocês o turbilhão de emoções que eu passei nas últimas semanas desde o nosso último encontro aqui no blog. 



Dia 28|04 rolou uma depedida #FarewellPartyGabby lá em casa, e teve muita cerveja, catuaba, churrasco, sofrencia, #VaiMalandra e muuuuito choro! Vamos colocar uma ênfase nesse choro aqui, porque EU chorei MUITO!!!! Nunca fui uma pessoa muito ''emocional'' e talvez essa nem seja a palavra certa, porém, a minha despedida me ajudou a reconhecer algo que eu não havia dado tanta importância nos últimos anos. 

Dizer ''eu te amo.''

Uau, como três palavras podem fazer o seu mundo parar, né? E as minhas lágrimas começaram quando eu disse eu te amo para todos que estavam comigo naquele sábado lindo de sol, me senti tão amada... sempre fui amada por eles, mas, nunca parei realmente para retribuir o amor deles. 

O mais difícil foi me despedir da minha mãe... nossa, como foi dolorido... nós já ficamos separadas antes, já morei fora, essa não foi a nossa primeira despedida, mas, sem dúvidas essa foi a despedida que teve mais significado para nós duas.

Aprendi que dizer eu te amo não é sinal de fraqueza, eu diria até que, chorar é a maior prova de que você é forte. Dizer eu te amo me deixou mais forte, mais confiante e muito mais preparada para enfrentar o que me espera nos próximos meses aqui na Holanda. 

Você, mana, que está prestes a dizer um até logo para a sua família e amigos, não deixe de dizer a eles o quanto você os ama. Talvez não faça muito sentido agora, mas, quando você chegar aqui você vai entender o que eu estou dizendo. 

Então, ame MUITOOOO a sua família, seja ela de sangue ou a família que você escolheu pra você. No fim, dizer adeus para a minha família foi libertador, pois naquele momento eu estava pronta para começar uma nova jornada. 

Trust the journey. Walk in courage. Essas são as duas das minhas tattoos favoritas, e é isso que eu desejo a você. Confie sempre em você e na sua jornada <3 

Até o próximo post, 


Beijos, 
Gabi 


sexta-feira, maio 18, 2018

Não ter schedule fixo é meh?


Resultado de imagem para meh

Olá!
Como vão?

Muitas pessoas quando estão em processo de match sempre se preocupam bastante quanto ao horário de trabalho, de folga e tudo mais, certo? Eu não me importei muito com isso e acabei tendo match com uma família que não tinha horário para nada!

Vou contar um pouquinho de como era não ter um schedule fixo durante o programa. O horário nunca foi muito um requisito para mim, e isso foi um dos pontos mais importante para minha host family ter o match comigo.

Resultado de imagem para time

Meu host dad trabalha em casa, mas frequentemente tem reunião pelo celular. Minha host mom é advogada na Wall Street, mas como é chefe de si mesma, ela pode escolher onde e quando quer trabalhar. E a au pair? A au pair, coitada, trabalha quando os outros querem! hahah

Não ter um schedule fixo, como tudo na vida, tem seus prós e contras. Começando pelo lado negativo:

- Você nunca sabe o que vai ser a semana. A hosta me avisava apenas na noite anterior qual horário eu deveria estar lá embaixo dando café para as kids. 
-Você não consegue marcar nada em cima da hora (uma ida no Starbucks ou na padaria da esquina).
- Você não sabe se está trabalhando ou não, nos casos dos hosts estarem em casa junto com você e as kids.
- Você às vezes tem as folgas em horários meio doidos, ou algumas horas de folga quado menos espera.

E claro, há também o lado positivo:

- Se eu não estava me sentindo bem, a hosta conseguia desencaixar a agenda dela e me deixar de folga.
- Se eu soubesse que iria sair em algum dia da semana, eu podia avisar, e eles encaixariam a agenda deles conforme meu compromisso.
- Quando os hosts me davam folga-relâmpago durante o dia em horários estranhos, eu não tinha muito tempo em pensar aonde ir, e isso me levou para lugares perto, mas incríveis (que nunca teria ido se eu tivesse tempo para pensar aonde ir).
- E o mais importante para mim: o fato de cada dia ser diferente do outro e sair da rotina.

Claro que todos esses pontos acima são apenas da MINHA opinião. Sou geminiana, não gosto de rotina, de tudo igual então, não saber como seriam os dias seguintes me deixavam mais animada! hahah

Se vocês estão em processo de match, não deixem de conversar ou considerar uma família só por causa do schedule. Às vezes algo melhor do que esperava acaba acontecendo!

Beijo!

quinta-feira, maio 17, 2018

Host kids pré-adolescentes: como lidar?



Oi gente, tudo bem com vocês?


Hoje eu quero compartilhar com vocês algumas dificuldades com as minhas pré-adolescentes (elas são gêmeas e tem 12 anos). Bem, elas cresceram acostumadas com alguém fazendo tudo por elas e pra elas e é natural que elas estejam bem acomodadas nessa posição, afinal ter alguém pra pegar água pra você a hora que você quiser deve ser uma maravilha. Mas espera, elas tem 12 anos e pedem pra você pegar água pra elas?!





I know.

Bom, quando eu cheguei aqui minha host Family me entregou uma espécie de “guia da au pair” com todas as informações necessárias (direitos e deveres, telefonemas, uso de carro, etc) e relevantes para uma boa convivência durante esse ano. Quando eu li esse guia eu já sabia praticamente de tudo, pois tive treinamento da ex-au pair e um bom suporte dos meus hosts durante os dias iniciais. Então nem liguei muito pra isso até o dia em que comecei a ficar incomodada com o fato de elas não pegarem a própria bebida ou de deixarem a louça espalhada na mesa.  

Reli o guia da au pair e encontrei a seção que falava das responsabilidades das meninas (tirar a louça, colocar ração pro cachorro, etc). Na verdade eu já vinha falando várias coisas pra elas nesse sentido mas sem sucesso. Então eu desabafei com meus host parents sobre isto; eles me apoiaram, afinal, foram eles mesmos que escreveram o guia, e a gente teve uma conversa com as meninas sobre a louça e sobre outros comportamentos inadequados (roupas espalhadas pelo chão, meias jogadas na escada e etc). Conversamos inclusive sobre as atividades adequadas para cada faixa etária (a tabela Montessori é útil pra toda e qualquer au pair) e elas perceberam que podem fazer (bem) mais do que tem feito. Estou vendo progresso desde a conversa mas também sei que tem todo um processo e que não serão do dia pra noite as mudanças.


http://diariodeumapsicopedagoga.blogspot.com/2016/11/a-tabela-montessori-descubra-quais-as.html



O segredo no entanto, continua sendo a paciência porque lidar com criança de qualquer idade não é fácil. Pré-adolescentes podem ser irritadiços, rebeldes e mau humorados.  Mas eles também são companheiros, divertidos, e cheios de energia! Então, como lidar? Com paciência e disponibilidade pra tentar entender as mudanças pelas quais eles estão passando; sendo firme mas também mostrando que eles já tem certa independência e que pegar um copo de água não mata ninguém, hahaha.

Beijo gente! Até mais, 

Valquíria



terça-feira, maio 15, 2018

AU PAIR NA SUÉCIA | Minha rotina semanal


Bom dia!! Essa foto é pra ilustrar a vida da au pair no FDS haha, mas de segunda a sexta a vida não é tão glamorosa assim.

Minha rotina parece fácil, mas as vezes é estressante porque assim como adultos, crianças tem seus dias de bom humor e dias de péssimo humor e chatice. Então por mais que eu ame eles, tem dias que é difícil.

Família> Pai, mãe, menina de 10 anos, menina de 7 anos e menino de 3 anos.

Segunda-feira: Acordo as 6:40 todos os dias e começo a trabalhar as 7h. Esvazio a máquina de lavar louças e preparo a mesa pro café da manhã. Depois que tomo café da manhã com eles, preparo a lancheira da minha kid do meio (normalmente ela leva só uma fruta, porque almoça na escola) e vou arrumar os quartos das crianças. Depois que arrumo os quartos eu volto pra cozinha pra limpar a sujeira do café da manhã, e os pais terminam de arrumar as kids e levam elas pra escola. Depois que arrumei a cozinha eu passo aspirador em todos os quartos, volto pro térreo e aspiro a cozinha, sala e hall. Tempo off. 15:20 busco o menino da creche, chego em casa um pouco antes das 16h ou as 16h. Dou uma fruta ou lanche pras crianças (quando saio pra buscar o menino as meninas normalmente acabaram de chegar da escola, ou estão no caminho) e começo a fazer a janta. Por volta das 17h o pai chega, e as 17:30 nós jantamos. Normalmente depois do jantar eu limpo a cozinha e estou livre, mas as vezes eu brinco um pouco com as crianças pra poder passar mais tempo com eles.

Terça-feira: Começo as 7h. Esvazio a lava-louças, preparo a mesa pro café da manhã, tomo café com eles, preparo a lancheira da kid do meio, vou organizar o quarto das crianças, volto pra limpar a cozinha depois do café da manhã e estou livre. Busco o menino as 15:20, volto e dou lanche pras crianças, faço a janta e limpo a cozinha.

Quarta-feira: Igual a terça-feira.

Quinta-feiraIgual a terça e quarta.

Sexta-feira: Começo as 7h. Esvazio a lava-louças, preparo a mesa pro café da manhã, tomo café com eles, preparo a lancheira da kid do meio, vou organizar o quarto das crianças, volto pra limpar a cozinha depois do café da manhã. Aspiro os quartos e passo pano no chão ou tiro o pó. Depois aspiro a cozinha, sala e hall e passo pano ou tiro o pó. Passo o aspirador nos banheiros e limpo o banheiro que divido com eles. Quando termino estou off. Busco o kid as 15:20, volto e dou lanche pras crianças, faço a janta e limpo a cozinha.

Sábado: OFF

Domingo: OFF

Essa é a minha rotina. Eu acho tranquila e gosto de ter um intervalo entre o tempo que as crianças estão na escola até a hora que voltam pra casa. Algumas pessoas acham que cozinhar pra família é "too much", mas eu não ligo. Eu gosto, pois é um tempo que eu relaxo. A respeito da sexta-feira dia da limpeza, eu acho justo eu ajudar um pouco já que moro aqui, além de que minha família é super flexível e me respeita. Eles me oferecem alguns benefícios que fazem essa micro faxina valer a pena.

Lembrando que na Suécia a au pair pode trabalhar até no máximo 5h por dia, 6 dias na semana - pocket money mínimo de 3.500 coroas suecas (esse é o valor bruto, pois na Suécia a au pair paga uma taxa referente a moradia e alimentação). Clique aqui para saber mais.

Espero que gostem do post de hoje. Até dia 30!
Por Valeska Monteiro
E-mail: vikingbrasileira@gmail.com

sexta-feira, maio 11, 2018

10 razões para largar tudo e ser au pair

Olá galera, tudo bem por aí? Por aqui, tirando a alergia a pólen, que ataca sempre nessa época do ano, tudo certo! Eu sei que muita gente sonha em morar fora, ser au pair, mas tem vários medos, dúvidas, incertezas, que as vezes impede de fazer o sonho virar realidade. Por isso hoje, eu dou 10 motivos (de uma lista enormeeeee de muitos outros), para que vocês deixem o medo de lado (ou venham com medo mesmo) e se joguem nessa aventura.


Ser au pair não é férias, não é brincadeira, é coisa séria, trabalho duro e muitas vezes estressante. Nem tudo são flores, maaaas apesar de tudo isso e todo o lado negativo que pode vir a existir, a experiência como um todo vale muito a pena. SIM, mesmo com todos os perrengues que a gente passa as vezes. 

1. CRESCIMENTO, sem dúvidas nós mudamos muito durante o intercambio de au pair e o crescimento, seja pessoal, profissional, emocional, espiritual, é só uma consequência de tudo que experimentamos, da nossa nova rotina, da independência que querendo ou não, vamos ter, da nossa escolha.

2. LIBERTAR-SE DE MEDOS, para mim foi algo meio que automático, eu não tinha outra opção e quando eu me dei conta já estava fazendo coisas que me davam muito medo antes. Eu não tinha outra opção, e isso, o ter que fazer por não ter outra opção, me ajudou a perceber o quão forte eu era e que eu não precisa ter medo de certas coisas, como por exemplo viajar sozinha, resolver problemas sozinhas, etc.

3. APRENDER A CONTROLAR AS EMOÇÕES, sempre foi algo complicado para mim, acontece que  quando moramos com nossos chefes, em um lugar longe de casa, da zona de conforto, temos que aprender a nos controlar. Não é engolir sapo, ou abaixar a cabeça, aceitar coisas que não queremos, é ver que você não pode, não deve e também não precisa explodir durante o jantar porque as crianças não estão sentadas como deveriam. É aprender a respirar, contar até mil, sorrir e no final perceber que está tudo bem e até se arrepender de quando perdia o controle por situações tão banais no Brasil.

4. NÃO EXISTE CERTO OU ERRADO, calma, existe sim, mas o intercâmbio vai te mostrar que tudo é uma questão de opinião, de cultura, de diferença! Não é errado comer pão com pasta de amendoim e granulado no almoço, só é diferente de tudo que sempre fomos ensinados. Quando se trata de "costumes" (por falta de uma palavra mais adequada) não existe certo ou errado, existe o diferente. 

5. VIVER PARA SI, as vezes é algo complicado no Brasil, mas na Holanda foi muito fácil. Eu não tinha contas para pagar, responsabilidades grandes dentro de casa, família para cuidar, era eu e eu. Eu vivia para mim, comprava coisas para mim, gastava o meu dinheiro todinho comigo, da forma que eu achasse melhor. Eu vivia sem me preocupar com ninguém além de mim mesma e isso não é egoísmo não!

6. AUTO DESCOBRIMENTO, é um dos melhores motivos para largar tudo e se jogar! Morar fora te permite, por conta dos desafios, experiências, viagens, trocas culturais, se auto descobrir, olhar para dentro de si mesmo e ver o que você realmente gosta, perceber o que é demais, o que é de menos, o que é bom, o que você quer, para onde você quer ir, o que você pensa da vida, quais são seus sonhos, etc.

7. RESPEITO, é algo que a gente se considera possuidor, até demais, mas você só aprende o que realmente é respeitar e ser respeitado ao ser confrontado com o diferente. Ao ver tudo do avesso e ter que entender que aquilo, apesar de parecer/ser errado para você merece ser respeitado. Você só vai aprender o que é ser faltado com respeito quando levar umas bofetadas da vida no intercâmbio, sem ter feito nada de errado, as vezes até quando estiver certo. Você vai aprender que respeito é tudo e que assim como você merece ser respeitado o outro também merece, independente de qualquer questão. 

9. ENCONTRAR-SE até soa engraçado, porque a gente quase nunca se da conta que está perdido, mas através do auto descobrimento, de tudo citado aqui e muito mais, nós nos encontramos. Get lost to find yourself!

10. REALIZAR SONHOS sem dúvidas é a melhor coisa que nós podemos fazer por nós mesmo e que o intercâmbio de au pair pode nos proporcionar. Para mim, ser au pair na Holanda, foi viver um sonho. Era como morar em um conto de fadas. Todo dia por menor que fosse o acontecimento, era um sonho que se tornava realidade.

Então queridos, se vocês tem alguma dúvida, se joguem! Sim, pode ser que tudo dê errado, mas mesmo assim com certeza algo de positivo vocês vão conseguir tirar do todo. Por hoje é isso, vejo vocês mês que vem, kusjes!